Módulo I - Legislação de Trânsito
Módulo II – Direção Defensiva
Módulo III – Noções de Primeiros Socorros, Respeito ao Meio Ambiente e Convívio Social
Módulo IV – Movimentação de Cargas

Máquinas ou equipamentos de grandes dimensões

Toda a movimentação de cargas indivisíveis é complexa, exige cuidados, equipamentos e procedimentos especiais para atender a legislação e segurança de todos os envolvidos.

Tipos mais comuns
  • Tratores.
  • Caminhões.
  • Implementos para mineração.
  • Turbinas hidráulicas.
  • Reatores e transformadores elétricos.
  • Pás de geradores eólicos.
  • Estruturas de engenharia.
  • Embarcações de grande porte.
  • Partes de aeronaves, e muitos outros.

Exigências fundamentais

  • Não exceder as dimensões – comprimento, largura e altura previstos em lei, tanto para o veículo como para a carga.
  • Não exceder o Peso Bruto Total – PBT, considerando veículo e carga; nem o peso por eixo ou conjuntos de eixos, previstos na resolução 01/21 do DNIT; lembrar que o peso bruto total não pode ser superior à Capacidade Máxima de Tração – CMT da unidade tratora.
  • O veículo deverá portar corretamente toda a sinalização indicadora de excesso de dimensões, como determina a Res. 882/21 do Contran, bem como a sinalização luminosa prevista.
  • Ter e portar todos os documentos obrigatórios e válidos relativos ao condutor, ao veículo e à carga, incluindo autorizações e laudos técnicos, quando for o caso, para cada operação.
  • Obedecer às restrições de horários previstos para cada tipo e trecho de via.
  • Obedecer a todos os procedimentos de segurança obrigatórios e recomendáveis para a operação, como a utilização de escolta, por exemplo.

Em casos de emergência

É fundamental que o condutor e os demais participantes da operação tenham um roteiro de procedimentos para eventuais emergências que possam ocorrer durante o percurso, como: 

  • pane elétrica, mecânica, hidráulica, quebra ou mau funcionamento de qualquer sistema do veículo ou de seus implementos; 
  • instabilidade, problemas de fixação ou outros problemas com a carga; 
  • obstruções e problemas de deslocamento não previstos; 
  • colisões com outros veículos ou elementos fixos ou estruturais da via; 
  • problemas com o próprio condutor, que podem ir de uma indisposição a um mal súbito.

Devido à natureza dessas operações, a atuação do condutor, em casos de emergência é fundamental, porém limitada.

  • Primeira providência: estar em permanente contato com a equipe de apoio, para poder comunicar qualquer irregularidade, permitindo que eventuais medidas corretivas sejam tomadas imediatamente. 
  • Não havendo escolta ou equipe de apoio, avisar imediatamente a Polícia Rodoviária Federal, ou autoridade correspondente e a concessionária, em caso de rodovia pedagiada. 
  • Parar o veículo em local seguro.
  • Sinalizar imediatamente a via, para evitar acidentes.