Módulo I - Legislação de Trânsito
Módulo II – Direção Defensiva
Módulo III – Noções de Primeiros Socorros, Respeito ao Meio Ambiente e Convívio Social
Módulo IV – Movimentação de Cargas

Colisões

Com o veículo da frente

O fator mais comum nos acidentes é não ter conseguido desviar ou parar a tempo o seu veículo, evitando uma colisão.

  • Trafegar em velocidade compatível.
  • Manter uma distância segura.
  • Perceber o que acontece à frente do outro veículo.
  • Estar atento e preparado para imprevistos.
  • Avaliar todos os fatores adversos.
  • Não se distrair.
O BOM SENSO ainda é o melhor método, pois instintivamente todos nós sabemos quando estamos muito próximos do veículo da frente, levando em conta a combinação dos fatores para aquela determinada situação.

Com o veículo de trás

O veículo de trás representa o segundo maior fator de risco, pois se o condutor do veículo da frente frear e o de trás estiver distraído, em velocidade incompatível ou muito próximo do veículo da frente, provavelmente causará um acidente.

Com os demais veículos

O condutor deve estar consciente e atento a tudo o que acontece ao seu redor, bem como fazer-se notar pelos demais elementos do trânsito.

Com veículos em sentido contrário

Esse tipo de colisão gera acidentes muito graves, normalmente ocorre quando um dos veículos invade a pista contrária.

O condutor deve assumir uma atitude responsável, colaborar com outros veículos e ficar satisfeito por ter ajudado a evitar um acidente.

Em ultrapassagens

Se vier outro veículo em sentido contrário, durante a ultrapassagem:

  • tentar abortar a ultrapassagem, retornando à posição inicial;
  • se não for possível, deslocar-se para a direita aproximando-se ao máximo do veículo que está sendo ultrapassado;
  • jamais trafegar no acostamento contrário.

Em curvas

Fatores que geram acidentes em curvas:

  • curvas mal projetadas ou mal construídas; que apresentam inclinação de pista que “jogam o veículo para fora”; que começam abertas e se acentuam no final entre outros tipos igualmente perigosos;
  • falta de visibilidade;
  • velocidade incompatível com a acentuação da curva;
  • curva com pista irregular ou escorregadia.
O que fazer para evitar acidentes em curvas:
  • adotar velocidade compatível ao tipo de curva e tipo de pavimento;
  • aumentar a distância dos demais veículos;
  • ficar atento para possíveis imprevistos.

Em cruzamentos

Normalmente estes acidentes ocorrem nas manobras de virar à direita ou esquerda, e por não observar o semáforo ou a preferência de passagem no local.

Nos perímetros urbanos o cuidado deve ser redobrado.

Em marcha à ré

O que fazer:

  • examinar a situação atrás do veículo antes de manobrar;
  • evitar manobrar em locais de pouca visibilidade;
  • ter cuidado com obstáculos fora do alcance de visão.
É proibido trafegar por trechos longos em marcha à ré.
Deve-se usá-la apenas para pequenas manobras.

Veículos de pequeno porte x veículos de grande porte

Normalmente, esses acidentes são trágicos

Pontos cegos

Veículos de grande porte têm uma capacidade de manobra muito limitada quando comparada à de veículos menores. Todas as manobras, sem exceção, são mais difíceis de executar.

  • Em frenagens, os veículos de grande porte precisam do dobro ou até do triplo da distância para parar.
  • As curvas que veículos grandes conseguem fazer têm raios maiores.
  • O comportamento em curvas fechadas é sempre inseguro e a trajetória das rodas traseiras não segue a das dianteiras.
  • Pelo porte avantajado, esses veículos sempre acarretam uma grande redução na área de visão.
  • Caminhões apresentam pontos cegos de ambos os lados, maiores do que veículos de menor porte.
  • Veículos grandes possuem ainda extensos pontos cegos na parte de trás e nas duas laterais.

Com ciclistas

Bicicletas e patinetes, bem como outros veículos não motorizados, são frágeis e vulneráveis e têm a preferência sobre os veículos automotores.

Cuidados
  • Manter distância lateral de 1,5 metros.
  • Dar preferência e facilitar a ultrapassagem de ciclistas em cruzamentos e conversões à esquerda e à direita.
  • Cuidar ao efetuar conversões.
  • Checar sempre os retrovisores.
  • Cuidar ao abrir as portas do veículo.
  • Anunciar a sua presença.
  • À noite, é ainda mais difícil notar os ciclistas, pois muitos ainda não usam os refletivos previstos em lei.
Certifique-se que o ciclista viu e entendeu sua sinalização, mantenha distância e muito cuidado ao efetuar manobras ou abrir a porta do veículo.

Com pedestres

Como seu comportamento é imprevisível, a melhor regra para o condutor é ser cuidadoso com o pedestre e sempre dar o direito de passagem, principalmente em travessias de pedestres, área de cruzamento e área escolar.

  • Diminuir a velocidade e redobrar a atenção.
  • Respeitar a preferência dos pedestres.
  • Tentar prever a reação deles.
  • Ser gentil e facilitar a travessia, sempre que possível.

Com animais

Esses acidentes ocorrem com maior frequência nas zonas rurais, pois os animais rompem as cercas e invadem as estradas, sem que o dono perceba.

  • Diminuir a velocidade e redobrar a atenção, ao passar por áreas rurais.
  • Evitar buzinar.
  • Fechar os vidros, em caso de automóveis.
  • Ficar atento na trajetória do veículo e não no animal.

Com elementos fixos

  • Manter a suspensão, sistema de direção e pneus sempre em bom estado.
  • Redobrar a atenção e diminuir a velocidade sob condições adversas.
  • Não insistir em dirigir quando estiver apresentando sinais de cansaço ou de indisposição.
Principais causas:
  • Perda de controle do veículo por defeito na pista ou desnível acentuado no acostamento.
  • Perda de controle do veículo por deficiência na suspensão, pneus estourados ou descalibrados.
  • Falta de visibilidade devido à chuva, cerração, neblina, fumaça ou iluminação deficiente.
  • Desvio da atenção.
  • Erros provocados por efeito de bebidas alcoólicas, drogas ou medicamentos.
  • Tentativa de desviar de outro veículo, pedestre, animal etc.
  • Erro ao fazer curvas.
  • Falta de atenção ou desobediência a sinalização, principalmente a de obras na pista ou desvios.